quarta-feira, janeiro 31, 2007

Sim ou Não?




"Concorda com a despenalização da interrupção voluntária da gravidez, se realizada, por opção da mulher, nas primeiras dez semanas, em estabelecimento de saúde legalmente autorizado?"

34 Comentários:

Às quarta-feira, janeiro 31, 2007 6:16:00 da tarde , Blogger Gabriel disse...

Aborto livre até às 10 semanas?
É esta a pergunta. Até às 10 semanas por qualquer razão e sem condicionamentos não é crime. Às 11… é crime. Porquê 10? Porque não 8? Ou 30? Caso ganhe o sim, a ver se todas as grávidas têm a matemática em dia… não vão elas enganar-se nas contas!

A minha resposta é NÃO!
A lei vigente, prevê, a meu ver, todas as excepções em que o valor da vida pode ser posto em causa. Sim, pois nem a vida é um valor absoluto.
Não é crime, por exemplo, matar alguém se em legítima defesa. Há casos em é legítimo “matar”, e esses casos estão previstos na lei presente. Má formação do feto, perigo de vida para a mãe ou por violação. Desde as 12, às 24 semanas. Que excepções aqui faltam? Gostava de saber.
Refiro-me à lei presente como,
Uma lei perfeita numa sociedade imperfeita.
O que devemos mudar então? A lei? De facto é bem mais fácil, pena é que não resolva nenhum dos problemas que os apoiantes do “sim” evidenciam, como se estes fossem culpa da lei actual. Por exemplo após as 10 semanas o efeito da lei seria precisamente o mesmo!
Gostam de usar extremos de vida para exemplificar uma possível boa aplicação da lei proposta… gostam de usar a vida dos mais desfavorecidos. Pois bem, que seja. Mesmo nesses casos, a uma mulher sem condições de vida, a melhor alternativa que a sociedade tem para lhe dar é o aborto??!! É numa sociedade assim que queremos viver?

E o que é isso de aborto livre até às 10 semanas? “Livre! Quer? Faça hoje… amanhã é crime!”

Não haverão melhores alternativas ao aborto? É transversal a todas as opiniões (julgo eu) que o aborto deve ser a última opção. Por isso mesmo, estou certo que os esforços de uma sociedade reunidos deveriam ser usados para evitar o aborto.

Que política é esta de fechar maternidades e abrir clínicas de aborto?

Vejo este problema da seguinte forma:
Como se se tratasse de uma árvore que está quase podre por causa de alguns dos seus ramos… e toma-se como possível solução cortar-lhe o tronco.
A nossa sociedade tem podres… sem dúvida, mas não vamos tratá-los chamando soluções ao que na verdade se tornaria um problema.
Para os casos de aborto livre em que este seria algo do género: “ descuidei-me e não quero ter este filho”… seria uma miséria absolutamente lamentável… seria o auge do egoísmo. Igualmente seria para um caso em que de facto não existam as condições consideradas aceitáveis para dar um filho ao mundo. Não pode ser o aborto a solução para estes casos. É isso o que de melhor a nossa sociedade tem para oferecer?
Que tal investir mais ainda naqueles que têm filhos sem condições para isso? Custa mais que oferecer um aborto? Não traz muito mais lucro? Trata-se de vida… a vida vale mais que qualquer número.
Porque não dar alguns milhares de euros às famílias por cada filho que têm?
A nossa sociedade está envelhecida e não seríamos os primeiros a fazê-lo. Temos bons exemplos… não, não nos guiemos pelos outros sempre com essa visão de pobre auto-estima.
Podemos ser melhores em muita coisa, em humanidade!

A sociedade ideal não tem abortos… ok, é certo que os ideias não são para ser atingidos, pois não… servem para serem seguidos. E daí…. Caminhemos então para isso.

Eu voto NÃO… e NÃO significa, para mim, não o caminho mais difícil, mas sim o único para uma sociedade digna de valores.
Votar SIM é, para mim, cobardia… é fechar os corações a quem precisa e os olhos a quem banaliza.

Já agora… façam uma busca de imagens de “aborto às 10 semanas” e pensem se haverá mais alguma excepção a acrescentar à lei actual.

 
Às quarta-feira, janeiro 31, 2007 6:33:00 da tarde , Blogger O Charmoso disse...

A resposta que deve ser dada é Sim ou Não.Pelo menos quando for votar não haverá certamente nenhuma linha adicional para escrever qual a minha opinião.O voto é secreto e cada um tem a sua opinião e a sua própria justificação sobre a matéria, aqual será transcrita pelo sim ou nao no momento do voto.
Mais uma coisa:
-este refrendo nao é para votar a favor ou contra o aborto, este referendo é para a DESPENALIZAÇAO do aborto , sao coisas diferentes.

 
Às quarta-feira, janeiro 31, 2007 7:08:00 da tarde , Blogger O Charmoso disse...

contra ou a favor essa despenalização nas primeiras 10 semanas de gravidez por opção da mulher num estabelecimento de saúde legalmente autorizado...

 
Às quarta-feira, janeiro 31, 2007 7:25:00 da tarde , Blogger O Charmoso disse...

Este comentário foi removido pelo autor.

 
Às quarta-feira, janeiro 31, 2007 7:32:00 da tarde , Blogger O Charmoso disse...

Para as duvidas relativamente a dez semanas, é meramente à titulo de referencia,porque obviamente que é relativo,dez semanas sao aproximadamente 2 meses,mais dias menos dias.Esses dois meses é o prazo maximo para a realização de um aborto em perfeitas condições sem perigo de vida,nem perigo de sequelas para a mulher.É o prazo estabelecido na maioria dos países onde essa prática é despenalizada.Não é nenhum numero lançado ao acaso,tambem não é nenhum numero que quer dizer que passado 10 semanas o fetus é uma vida,ou é pessoa e antes disso nao o era....e quem assim pensa deveria procurar informações sérias com base em quem entende do assunto.Penso que essas 10 semanas estão a ser mal interpretadas.Não é assim tão linear,o médico é que terá ser a ultima palavra,porque caso o aborto nao pode ser feito em perfeitas condições,então nao haverá aborto.Que vote sim ou não(se o assunto vos interessar)leia artigos com base em quem entende realmente da matéria,porque que vote no "sim" ou no "nao", ao menos estará a par da forma como as coisas realmente vão funcionar caso ganhe o "sim" ou caso ganhe o "nao", e nao como as coisas vão funcionar tendo por base o boca-a-boca. É um assunto sério que necessita de rigor naquilo que é dito e por isso, quem vota tem que estar informado, e muito bem informado.

Essa é a minha opinião.

 
Às quarta-feira, janeiro 31, 2007 7:43:00 da tarde , Blogger Gabriel disse...

Concordo perfeitamente contigo... por isso mesmo há uns tempos não tinha opinião formada e hoje tenho.
Que o respeito pelas opiniões dos outros seja bem visível neste local virtual de partilha de opiniões! :)

 
Às quinta-feira, fevereiro 01, 2007 4:17:00 da manhã , Blogger O Charmoso disse...

Se fosses bem informado,que no meu ver ninguem està,haveria muito mais para dizer.Reparo que muito do que falas em relação ao aborto em si ronda à volta dos 10 dias e ele é posto como se qualquer pessoa fosse à loja comprar pão.Penso que ha muito mais para dizer sobre ele,do ponto vista objectivo e tambem sobre tudo o que envolve este processo de interrupção voluntária da gravidez.
Quando digo que temos que estar informado,nao é apenas sobre "o aborto o que é?",é tambem na perspectiva do :
-se ganhar o "nao" como é que ficamos e como é que a nossa sociedade vai continuar?

-se ganhar o "sim",como serão feitas as coisas?

Isto sim é falar do aborto.Perguntas bem:
"E o que é isso de aborto livre até às 10 semanas?"

Talvez tambem seja pertinente responder.Ou nao sabes? como a maioria das pessoas..
Eu admito que nao sei,apesar de ter a minha opinião formada sobre o assunto,que nao vou divulgar porque sou um palerma que aqui fala,que nao percebe nada do assunto(apesar de o conhecer mas em condiçoes naturais) e votarei na minha alma e consciencia apoiando-me nas opniões de quem entende realmente do assunto.
Agora nao podemos esquecer que quando é lançado um referendo existe sempre um projecto de lei para caso ganhe o "sim" e estou convicto que ninguem esta a par deste projecto de lei,ou seja,muito gente vai votar sem saber no que é que realmente vai votar,tanto na perspectiva daquilo que pode continuar a proibir como na perspectiva daquilo que poderà despenalizar.

Existe uma pergunta,é certo,mas o referendo nao se limita a esta pergunta,nem temos que votar restringindo-nos a essa pergunta.
Não quero puxar as opiniões nem para um lado nem para outro,apenas quero dizer que temos que ter pleno conhecimento do assunto para poder ir votar, e nao ter apenas algumas luzes...

 
Às quinta-feira, fevereiro 01, 2007 10:06:00 da manhã , Blogger Gabriel disse...

acho que a tua opinião acabou por ficar bem patente... e a forma como aceitas as dos outros! :)
A minha opinião é o NÃO porque é a única proposta que permite um equilíbrio entre as duas partes, a da mãe e a do seu filho.

 
Às quinta-feira, fevereiro 01, 2007 4:56:00 da tarde , Blogger O Charmoso disse...

Este comentário foi removido pelo autor.

 
Às quinta-feira, fevereiro 01, 2007 5:05:00 da tarde , Blogger O Charmoso disse...

Olha que penso que nao está explicita.Apenas defeni a forma como deve ser tratada a questão,tanto de um lado como para outro. Aquilo que tu nao fizest.Em relação ao respeito da opinião dos outros,eu nao me pronunciei sobre isso.Nao crtiquei a tua opinião nem a elogiei.Apenas sublinhei pontos esquecidos que deveriam ser tocados na tua justificação mas tambem um certo desconhecimento do assunto da tua parte e penso que nao é por essa razão que respeito ou deixo de respeitar a tua opinião.Falas de uma pequena parte da situação,que consideras como um todo.
Apenas penso que é limitadamente baseada,que votasses sim ou que votasses nao,teria feito o mesmo comentário.
Comentar uma opinião nao é desrespeita-la,digo eu.
A tua opinião nem é pior nem é melhor do que outra,so penso tal como a minha professora de economia do secundario sempre me disse:Todas as opiniões são válidas,desde que haja um bom conhecimento relativamente ao assunto em causa e desde que sejam devidamente justificadas.

 
Às quinta-feira, fevereiro 01, 2007 5:27:00 da tarde , Blogger Gabriel disse...

e nesse caso estás a invalidar a minha por uma razão que ainda não consegui entender.
eu coloquei esta pergunta no meu blog apenas por uma razão: debate! porque a meu ver é uma questão importante e deve ser falada. Também porqu enão considero a minha opinião secreta, por isso mesmo a partilho, e apenas o meu voto o será, secreto!
todas as minhas razões na qual baseio a minha opinião estão bem patentes no meu primeiro comentário... se são insuficientes, lamento, são as minhas.
se quiseres dar a tua opinião e justificá-la... é com prazer que te leio. por mim,... acho que já falei bem mais do que pensava falar... por isso mesmo disse tanto logo no 1º comentário:) não esperava ter de voltar a escrever, muito menos sobre algo que não é sobre a questão propriamente dita:)
Abraço, oh charmoso!

 
Às quinta-feira, fevereiro 01, 2007 8:00:00 da tarde , Blogger O Charmoso disse...

Nao estou a invalidar a tua opinião,nao sei onde fost buscar esta ideia.
Apenas penso que deveria ser mais fundamentada,acho que eu o explicitei bem.Penso que estou a falar do aborto,nada mais nada menos.Aquilo que queria que tu entendesses é que ao expôr a tua opinião,ocultas muito coisa em relação ao aborto em si mesmo.Coisas tais como:
-O que é o aborto?
-O k diz o projecto de lei?
-Em que condiçoes poderá ser feito?
-Haverá acompanhamento?
-Qual a posição do projenitor?

Trata-se simplesmente de saber precisamente do quê que estamos a falar.Não podemos resumir uma questão tão complexa a apenas uma frase.É isso que pretendia.Saber mais sobre o aborto,saber mais sobre o projecto de lei, para que todos possamos falar da mesma coisa e expressar a sua opinião relativamente ao mesmo assunto.Penso que como administrador deste blog e como tu é que introduzist este assunto,este é o teu papel.

Mas pronto é a minha OPINIÃO,se nao é do teu agrado, eu RESPEITO;)

 
Às quinta-feira, fevereiro 01, 2007 8:15:00 da tarde , Blogger Gabriel disse...

Se procurares ler, e não precisas de fazê-lo nas entrelinhas, encontrarás respostas para todas essas perguntas no comentário que fiz! agora claro... podem é não ser do teu agrado, eu respeito;)
Além disso, eu como administrador, procurei não dizer absolutamente nada em relação à questão para, precisamente, permitir uma abertura a todas as opiniões.
Se precisares posso ajudar-te a "ler-me", mas não queiras deixar o esforço todo para o administrador também:)

 
Às sexta-feira, fevereiro 02, 2007 2:25:00 da tarde , Blogger O Charmoso disse...

desculpa mas ainda nao percebest o meu comentario,ou talvez nao o queiras perceber..Tambem nao me vou esforçar mais para isso.
Bom debate, sem "ter de voltar a escrever"

 
Às sexta-feira, fevereiro 02, 2007 2:34:00 da tarde , Blogger Gabriel disse...

Deve ser má vontade da minha parte em "debater as opiniões" :)
Bom debate... se houver:)
Abraço charmoso

 
Às sexta-feira, fevereiro 02, 2007 7:04:00 da tarde , Blogger O Charmoso disse...

Tambem nao disse que era má vontade...
Tu tas a levar o meu comentário para onde nao o quero levar e para onde nao era para ser levado.(penso que deve ser por causa da conversa que nós tivemos).Eu fiz o comentário desligando-me totalmente dessa conversa e tentando ter uma visão objectiva sobre o assunto.
Vê-se que de facto nao percebest o meu comentário porque as questões que coloquei nao têm resposta no teu primeiro comentario!Axo que é simples de perceber!ou não?Mas caso nao seja simples vou recolocar algumas das questões de forma extensa de modo a que percebas o sentido do meu comentário.
-O que diz o projecto de lei caso for despenalizado o aborto?(é isto que está em causa no referendo:a despenalização)(No teu comentario falas da lei actualmente em vigor e apenas referes as 10semanas em relação ao projecto de lei,penso que deve constar muito mais no projecto)

-Em que condiçoes poderá ser feito caso seja despenalizado?(nós ja sabemos como pode ser feito actualmente,por isso,obviamente que nao era neste sentido que a minha pergunta iria se direccionar,tendo em conta tambem que estava a apelar à informação).

-Haverá acompanhamento por parte de um painel de pessoas devidamente formadas caso seja despenalizado?

É neste sentido que o meu comentário é feito,nao para dizer que a tua opinião é melhor ou pior do que as outras.Apenas fiz um apelo à informação,de forma a saber muito bem daquilo que tratamos quando falamos de DESPENALIZAÇÃO do aborto,nós ja sabemos daquilo que tratamos ao falar de penalização,é a lei que está em vigor e que todos os portugueses conhecem.Agora em relação à despenalização,ninguem tem a menor ideia daquilo que isto é e de toda a sua envolvencia.É disto que se trata com o referendo e é disso que penso que falta no teu comentário.

O que quero dizer é que o referendo nao foi tratado estando adequadamente inserido no seu devido contexto,apenas isso.Agora que votes "sim" ou "nao" para mim é-me indiferente.Todos temos o direito de pensar livremente.Não quero mudar as opiniões nem mudar o mundo.

Vou tentar ser ainda mais preciso na explicação do meu comentario por forma a ter a certeza que percebas o sentido,assim sendo vou exemplificar.
É como responder a seguinte pergunta:"Fazer um empréstimo.Sim ou Nao?"
Se optamos por nao recorrer a um emprestimo sabemos que nao será necessário pagar juros,certo?Mas tambem pode ser visto de outra perspectiva:
Vi as taxas de juro,as condições etc.. e nao estou de acordo e por isso nao vou recorrer a ele.(tivemos que nos informar primeiro)

Agora na perspectiva do sim:

Se optamos por recorrer a ele sabemos que teremos que aceitar umas condições,tal como o juro por exemplo.Será possível alguem recorrer a um emprestimo sem ter conhecimento da taxa de juros?Sem ter conhecimento das condições?

Acho que o exemplo é bastante claro e espero que todos chegam a conclusão que é benefico para ambas as partes(tanto para o "sim" como para o "não")ter conhecimento das condições da despenalização..


Espero que agora percebas que nao desrespeitei a tua opinião e fica a prova que o meu comentário nao tem qualquer tendencia.

 
Às sábado, fevereiro 03, 2007 10:42:00 da manhã , Blogger Gabriel disse...

Realmente o exemplo adequa-se perfeitamente ao caso:)

"Em que condiçoes poderá ser feito caso seja despenalizado?"
Não há condições! É livre!! Ou falas de condições não no sentido de condicionamento mas sim de meios? Se é isso... era o que mais faltava era liberalizar o aborto sem terem meios para isso. POis fica sabendo, que se é isso, então o estado terá de as criar, ... até mesmo ao nível de recursos humanos.


"Haverá acompanhamento por parte de um painel de pessoas devidamente formadas caso seja despenalizado?" Há um texto relativo à lei proposta que diz (não recordo as palavras exactas) que se suprimem todas as partes exteriores à mulher... não lembro quais as palavras, mas na análise do texto extendia-se que não há painés de aconselhamento. Mas claro... a meu ver ao menos isso! De qualquer modo a própria pergunta diz "opção da mulher". Por isso, quanto muito poderá acontecer como noutros países em que as salas são frias e o aconselhamento é "tem a certeza de que quer mesmo fazer isto?" Ou afinal podemos meter-nos na casa dos outros David?? :) De qualquer modo, penso que o sentido da pergunta é para a primeira resposta, e nesse caso, a resposta é: não há condições. É livre. É isso que me repugna. Não concilia a liberdade da mãe com a vulnerabilidade do filho.

Acrescento que acho engraçado como tentas ditar as regras:) Ou seja, primeiro as opiniões são secretas, depois moldas a forma como devem ser feitas...e por fim ainda pedes esclarecimentos.
David, tou tenho todo o gosto em ler-te, a sério. Justifica-te. Só assim faz sentido, não é eu estar a transcrever para aqui as minhas opiniões e os meus sentidos, e tu a dizer "como deviam ser" sem dares as tuas.
Compreendo se preferires fazê-lo... mas confesso qu egostava porque, para mim, um confronto de opiniões é sempre uma mais valia.
O problema é que eu também quero enriquecer qualquer coisa:)

 
Às sábado, fevereiro 03, 2007 1:45:00 da tarde , Blogger O Charmoso disse...

opa nao me consigo fazer entender..ou nao sei.
Nao queria saber a tua opinião sobre as perguntas..as tuas pequenas bocas nao fazem qq sentido neste contexto.Não me pronunciei e nao tentes expressar as minhas opinioes no meu lugar.Mas se é assim que queres levar o meu comentàrio,como uma especia de ataque pessoal,faz como entenderes.Acho que fui bastante claro naquilo que pretendia transmitir.
Queria informação primeiro,nao a tua opinião,nao pedi para escalreceres o teu ponto de vista.Primeiro expõe-se o problema depois debate-se.Aqui o problema nao esta exposto no seu todo.Fala do projecto e depois daquilo que nao estas de acordo como ele.agora tu falas do aborto e das 10 semanas ponto final.Se tu introduzist o assunto deverias te-lo exposto de foram clara e objectiva,depois dàs a tua opinião. Se reparares,ninguem vai aprender mais sobre o aborto com esse comentario.Ficamos na mesma,sem perceber do que se trata no referendo,nem tu sabes.

Nao tento moldar a forma como devem ser feitas as opiniões,acho que é obvio e logico que so nos podemos expressar sobre algum assunto tendo primeiro o bom conhecimento do mesmo por forma a nao tomar decisoes precipitadasIsso nao tem logica?..e nao é por esse motivo que nao deixam de ser secretas.Para alem desta boca nao ter que constar aqui,ela nao tem qualquer coerencia.Relembro-t que kem interrompeu um certo debate fost tu.

Alem disso nao estou suficientemente informado sobre o assunto para expressar uma opinião bem argumentada e fundamentada(assumo um certo desconhecimento da minha parte),e até agora nao é aqui que fiquei a aprender mais,mas pensei que podesse ser.

Acho que disse tudo o que tinha a dizer,se continuares sem perceber(nao serà por falta de explicaçoes),vou lamentar imenso mas nao vou voltar a explicar,nem a intervir.Tas a desviar para outro caminho e tamos a ficar completamente off-topic.

Boa continuação.

 
Às sábado, fevereiro 03, 2007 6:15:00 da tarde , Blogger henrique disse...

Este comentário foi removido pelo autor.

 
Às sábado, fevereiro 03, 2007 6:21:00 da tarde , Blogger henrique disse...

Este é um assunto muito delicado, aliás demasiado importante para ser dado através da simples resposta sim/não.
Parece que se quer levar esta situação para dois extremos contrários, quando se deve optar não por extremos mas sim pelo mais aceitável, o melhor.
Em vez de ser disponibilizada informação sobre o que realmente é o sim/não e suas vantagens/desvantagens, o que existe realmente é uma luta ao nível politico e religioso.
Quanto à questão em si, dando a minha opinião, votarei NÃO.
Nem a resposta não ou sim, são as ideais, o ideal era existir um sistema que realmente ajudasse a quem optasse por ter um filho.
Um sistema com menos burocracia, e menos encargos para quem pretenda adoptar uma criança.
Um sistema que apoiasse os "lares" para crianças, para que estas pudessem ter uma vida digna e que lhes permitisse um desenvolvimento futuro capaz de lhes dar qualidade de vida.
Um sistema que lutasse pela vida, pela igualdade de oportunidades.
Deveria esta certamente ser a pergunta intermédia entre o sim/não.
Não existindo esta pergunta intermédia voto NÃO, pois acredito que é a resposta que mais se aproxima da pergunta intermédia que deveria de ser efectuada neste referendo, ou melhor deveria ser a realidade de qualquer país que se denomine desenvolvido.

 
Às segunda-feira, fevereiro 05, 2007 2:09:00 da tarde , Blogger Gabriel disse...

Amigo David:)
Completamente, outstanding of-topic!
Eu coloquei a pergunta que dia 11 estará disponível para ser votada.
Se me dizes que é imprescindível um post só para as explicações e tudo o que está por detrás da pergunta... então acrescento que, se é assim, nem este referendo nesta altura faz sentido, precisamente por falta de informação. Não se vota aquilo que não se sabe.
Agora eu... sou eu! E vês como criticas?!;) "agora tu falas do aborto e das 10 semanas ponto final" :) Discordo plenamente. Falo da lei presente e digo todas as minhas razões que justificam a minha opinião.
"agora tu falas do aborto e das 10 semanas ponto final" talvez essa te tenha fica mais na memória porque a única coisa que a lei proposta traz de novo é precisamente isso. Aborto livre até às 10 semanas.
Que tal falarmos um pouquinho sobre o que realmente interessa?
Não fui eu que comecei com isto David:)

Primo henrique... só fiquei com uma dúvida. Falas de um meio termo... Mas baseias-te no meio termo que o "não" oferece (por ter nele previsto várias situações que permitem o aborto) ou preferias mesmo assim uma mudança da lei? Mudança em outros aspectos é fácil notar que defendes... e partilho a tua opinoão. Muita coisa está mal... só não acho que se deva justificar isso com a lei. Uma lei por si só nada faz:)

 
Às segunda-feira, fevereiro 05, 2007 6:48:00 da tarde , Blogger O Charmoso disse...

Este comentário foi removido pelo autor.

 
Às segunda-feira, fevereiro 05, 2007 6:55:00 da tarde , Blogger O Charmoso disse...

Gabriel,este é o meu ultimo comentario porque so respondes ao que te interessa e por isso vou ter que me repetir. Quem quiz acabar com um certo debate fost tu.e nao me respeitast como te respeitei.Deixei-t falar, e ouvi-t.Tu nao fizest o mesmo.Isto é que é falta de respeito.Com atitudes dessa nao pode haver debate.Nao venhas agora com essas palavras bonitas.debate é so quando te apetece?:)Entao a mim agora tb nao me apetece.;)
e critico!mas nao critico a tua opinião,critico o post!nao deves perceber o portugues!Tamos todos a falar daquilo que desconhecemos!tem algum sentido?
Outra coisa gabriel,quando vais votar para qualquer eleição,votas para a cara mais bonitas que estiver no papel?ou procuras informação sobre o plano eleitoral de cada um?Por favor gabriel essa do:"Eu coloquei a pergunta que dia 11 estará disponível para ser votada.
Se me dizes que é imprescindível um post só para as explicações e tudo o que está por detrás da pergunta... então acrescento que, se é assim, nem este referendo nesta altura faz sentido, precisamente por falta de informação. Não se vota aquilo que não se sabe."
tem algum jeito?é demasiado baixo e basico para ser dito por ti..
Por favor!

e mais uma coisa,essa conversa ja nao tem qualquer sentido. ja vi que nao é aqui que vamos aprender sobre o assunto,que caso nao percebest era isso que te estava a tentar dizer!
é pena nao saberes ouvir uma critica construtiva( porque a meu ver é mas posso estar enganado),lamento.

Beijinhos e um grande abraço ao henrique que pelo seu comentario referiu muito bem a situaçao em que estamos e o desejo de informação que se faz sentir.

 
Às segunda-feira, fevereiro 05, 2007 8:20:00 da tarde , Blogger Gabriel disse...

Tudo por tua causa:) Acho que basta reler!
É pena que tragas para aqui o que nada tem que ver com isto... mas já que insistes. Eu não finalizei debate nenhum. aconselhei e tu aceitaste. Aconselhei porquê? Porque já estavas a dizer coisas que no fundo nem querias dizer... que nem as escrevo porque são entre nós e porque, acredita, não creio que tais ideias as sintas verdadeiramente. E que tal como aqui, que nada tinham a ver. coincidência?
Primo, aguardo resposta.

 
Às segunda-feira, fevereiro 05, 2007 10:59:00 da tarde , Blogger O Charmoso disse...

Contigo nao da pra falar.agora a culpa é minha por nao saberes ouvir uma critica?basta uma critica..nao a sabes ouvir..
Peço imensa desculpa entao.nao voltarei a fazer criticas.Acho que até nao era para pior.Peço desculpas por tudo o que possa ter dito nos comentarios,peço desculpa por pensar,peço-t desculpas por querer aprender.

P.S:um dia vais saber pké k disse essas coisas,e sei bem pké que as disse;) puxei para que tu digas certas coisas,porque tava a ver que te ia apanhar.até porque tivemos uma conversa ha uns tempo relativamente a um certo assunto e desta vez apanhei-t;)..e ai nao vais poder fugir..houve testemunhas ;)
beijinhos doces;)

 
Às segunda-feira, fevereiro 05, 2007 11:03:00 da tarde , Blogger O Charmoso disse...

se ja nao queres ser mais o meu amigo por causa de uma critica diz..;)

 
Às terça-feira, fevereiro 06, 2007 2:02:00 da manhã , Blogger Amoretto disse...

sim! e não tou com pachorra pra me tar a explicar. só peço as pessoas do não que entendam a questão e não desvirtuem a realidade em causa.

 
Às quarta-feira, fevereiro 07, 2007 9:51:00 da manhã , Blogger Gabriel disse...

Jamais deixarei de ser amigo de alguém por diferenças de opiniões... não faria sentido!! Nem há qualquer interesse nisso :)
Olha David... se juntamente à pergunta oficial viesse algum texto do tipo esclarecimento oficial daquilo que se trata, podes ter a certeza de que estaria aqui juntamente com esta mesma pergunta.
Eu lamento sinceramente se a minha opinião não é nada boa:) Mas tens de compreender uma coisa... é minha.
E em tudo o que disso tentei ser eu, nos meus conhecimentos, nas minhas convicções e sem "show" de debate.

Numa questão tão complexa quanto esta qual lado que ele seja tem as suas justificações... e são tão válidas como as da outra parte.
Confesso até que há um pormenor no lado do sim que por vezes me encanta, a sério, não estou a gozar. É que de facto se se quer que exista um relacionamento próximo entre as mães que precisam e os profissionais de saúde, isso torna-se muito mais fácil através da despenalização. Mas... depois penso e vejo que não seria bem assim. O que lemos nesta pergunta é que a mulher fica com o direito de decidir por si só o futuro do seu filho, logo se é um direito ninguém a poderá influenciar a nada. Não seria legítimo. Tanto não é que sei que esta lei não prevê qualquer painel de aconselhamento ás mães por mais que queiram fazê-lo querer... isso é política.
Não entendo sinceramente porque razão se quer fazer passar a ideia de que ou o sim "ganha" (aqui ninguém ganha nem perde) ou tudo fica como está! Sinceramente não percebo... O referendo é se para saber se se está de acordo com determinado sim, não para se saber se as coisas estão bem como estão.
Também gostaria que houvesse um meio termo... o "sim" quer o aborto oferecido ou uma mão cheia de nada? É o que dizem... Quer dizer, dizem que estamos mal mas se perderem vamos continuar. Sinceramente.
E mais... desde que esta lei está em vigor, pensem sinceramente no que fez o Estado para educar, prevenir, ajudar... o que fez? Muito pouco. Tem políticas péssimas de apoio aos mais carentes ou, simplesmente de incentivo. O que de bom existe nesta matéria é de cariz privado. Então pensem... será culpa da lei? Talvez seja necessário até acrescentar mais alguma outra excepção à lei... agora sem excepções até às 10 semanas? Livre? E o filho? A lei proposta apenas salvaguarda os direitos da mãe... é isso que me faz estar do lado do "NÃO".
Seja como for, espero que depois do dia 11 consigamos aproveitar esta nossa preocupação com um problema real e que carece, acima de tudo, de solidariedade social.

 
Às quarta-feira, fevereiro 07, 2007 1:41:00 da tarde , Blogger Kito disse...

Porque é que surgiu a ideia de haver este referendo?
Eu sou a favor do sim! Sim à despenalização do aborto.

Acreditem se uma mulher quiser abortar ela aborta!

E não pensem que vai ser fácil abortar num hospital ou que vai ser algo a acontecer frequentemente...

(ps. resolvi procurar a password disto só para postar aqui :) )

 
Às quinta-feira, fevereiro 08, 2007 3:38:00 da tarde , Blogger Amoretto disse...

ATENÇÂO: informo os navegadores que assistem diariamente a este blog, o resultado ao intervalo: "GABRIEL" 5 vs "O CHARMOSO" 5.

Prevêm-se duas alterações nas equipas, uma para cada lado, na equipa GABRIEL sai visivelmente cansado o atleta numero 9, GABRI, para dar lugar a HENRIQUE; e na equipa O CHARMOSO, sai tambem ao intervalo PIKINHOS, lesionado na tibiotarsica esquerda, e para o seu lugar entra então KITãO, mais conhecido por ser o Peter Crouch Portugues!

 
Às quinta-feira, fevereiro 08, 2007 4:11:00 da tarde , Anonymous Limiano disse...

se abortar é matar uma pessoa??

Então Gabriel..quando tocas ao bicho? é o ké? um Genocídio??

 
Às quinta-feira, fevereiro 08, 2007 5:06:00 da tarde , Blogger Gabriel disse...

Christophe!!!! Também comentas por aqui? :)

 
Às sexta-feira, fevereiro 09, 2007 2:51:00 da tarde , Anonymous limiano disse...

opa.. fui chamado para intervir ;-)

 
Às sexta-feira, fevereiro 09, 2007 3:33:00 da tarde , Blogger Gabriel disse...

óptimo limiano... :)
Então olha... precisamente por ter medo disso é precisamente por esse motivo que não toco ao bixo desde os 4 anos.
Enfim... isto era pra ser uma coisa séria :)

 

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial